Sim, sim, não, não…

NO ENSINAMENTO DE CRISTO, a hipocrisia e a falsidade são vícios muito combatidos, ao passo que a veracidade é uma das virtudes mais gratas ao Senhor: Eis um verdadeiro israelita, em quem não há duplicidade, diz Jesus de Natanael, quando o vê aproximar-se acompanhado por Filipe. Ele próprio é a Verdade; e o demônio, pelo contrário, é o pai da mentira.

A verdade transmite-se através do testemunho, do exemplo e da palavra: Cristo é testemunha do Pai; os Apóstolos, os primeiros cristãos, e nós agora, somos testemunhas de Cristo diante de um mundo que precisa de testemunhos vivos. E como é que os nossos amigos e colegas hão de crer na doutrina que queremos transmitir-lhes, se a nossa própria vida não se baseia num grande amor à verdade? Nós, cristãos, devemos poder dizer, como Jesus Cristo, que viemos ao mundo para dar testemunho da verdade9, num momento em que muitos utilizam a mentira e o engano como uma ferramenta para escalar postos, para alcançar um maior bem-estar material ou para evitar compromissos e sacrifícios; ou simplesmente por covardia, por falta de caráter.

Devemos ser exemplares, estando dispostos a construir a nossa vida, o nosso patrimônio, a nossa profissão, sobre um grande amor à verdade. Não podemos sentir-nos tranqüilos quando está de permeio uma mentira. Devemos amar a verdade e empenhar-nos em encontrá-la, pois às vezes está tão obscurecida pelo pecado, pelas paixões, pela soberba, pelo materialismo…, que, se não a amássemos, não a poderíamos reconhecer. É tão fácil aceitar a mentira quando chega – dissimulada ou às claras – em reforço de um falso prestígio, de maiores lucros na profissão…! Mas diante da tentação, tantas vezes disfarçada sob inúmeros argumentos, devemos recordar a doutrina clara e diáfana de Jesus: Seja a vossa palavra: sim, sim; não, não.

Estendeu-se por toda a parte uma idéia – às vezes, um sentimento difuso – de que os compromissos assumidos com Deus – os compromissos do Batismo – ou diante dEle – como o casamento – são uma espécie de “ideal”, uma meta para a qual se deve tender, mas que no fundo não obrigam em todas as situações porque há situações em que são inatingíveis. Nós, pelo contrário, devemos estar firmemente persuadidos de que sempre é possível viver as virtudes e os compromissos da vocação a que Deus nos chamou, com todas as suas conseqüências.

O cristão, esmerando-se na lealdade, não cederá quando as exigências morais forem ou parecerem mais duras. Temos que pedir a Deus esta retidão de consciência: quem cede, teoricamente “desejaria” viver as virtudes, “desejaria” não pecar, “desejaria” não desistir, mas acha que, se a tentação for forte ou as dificuldades grandes, estará praticamente justificado se vier a ceder.

Isto pode acontecer em face dos compromissos no trabalho, da necessidade de repelir com energia um clima de sensualidade, quando são necessários recursos pesados para a educação dos filhos, ou ante as exigências da fidelidade no casamento ou no caminho vocacional. Recordemos hoje na nossa oração a clara advertência de Jesus: Caiu a chuva, vieram as torrentes, sopraram os ventos e irromperam contra aquela casa, mas ela não desabou porque estava fundada sobre rocha14. A rocha é Cristo, que nos oferece sempre a sua fortaleza.

Fiéis a Cristo: este é o maior elogio que nos podem fazer; que Jesus Cristo possa contar conosco sem limitações de circunstâncias ou de futuro, que os nossos amigos saibam que não lhes falharemos, que a sociedade a que pertencemos possa apoiar-se, como num alicerce firme, nos pactos que subscrevemos, na palavra empenhada de modo livre e responsável. “Quando viajamos à noite de trem, nunca nos ocorreu pensar de repente que a vida de várias centenas de pessoas está nas mãos de um maquinista, de um agulheiro que, sem se importarem com o frio e o cansaço, permanecem nos seus postos? A vida de todo um país, a vida do mundo, dependem da fidelidade dos homens no cumprimento do seu dever profissional, da sua função social; de que cumpram fielmente os seus contratos e mantenham a palavra dada”15, sem necessidade de invocarem a Deus por testemunha, como homens íntegros.

Seja a vossa palavra: sim, sim; não, não. Homens de palavra, leais no cumprimento dos pequenos deveres diários, sem mentiras nem enganos no exercício da profissão, simples e prudentes, fugindo daquilo que não é claro: honestidade sem fissuras, diáfana. Se vivermos esta lealdade no humano, com a ajuda da graça seremos leais a Cristo, que é afinal o que importa. Não poderíamos construir a integridade da nossa fidelidade a Cristo sobre uma lealdade que metesse água cada dia no relacionamento humano.

Peçamos a Maria Santíssima, Virgo fidelis, Virgem fiel, que nos ajude a ser leais e fiéis, à custa da própria vida, se for preciso.

Fonte: http://www.hablarcondios.org/meditacaodiaria.asp

Anúncios

Uma resposta em “Sim, sim, não, não…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s