Perseguição e Hostilidade

O SENHOR ANUNCIA em diversas ocasiões que quem deseja segui?lo verdadeiramente e de perto terá que enfrentar as investidas dos que se comportam como inimigos de Deus e até dos que, sendo cristãos, não vivem com coerência a sua fé.

O cristão, no seu caminho de santidade, encontrará por vezes um clima de hostilidade, que o Senhor não duvidou em chamar com uma palavra dura: perseguição. Na última das bem?aventuranças referidas por São Lucas no Evangelho da Missa, Jesus diz: Bem?aventurados sereis quando os homens vos odiarem, quando vos expulsarem e injuriarem, e proscreverem o vosso nome como maldito, por causa do Filho do homem. E não devemos pensar que esta perseguição, nas diversas formas em que pode apresentar?se, é algo excepcional, que se dará numas épocas especiais ou em lugares determinados: Não é o discípulo mais do que o mestre – anunciou Jesus –, nem o servo mais do que o seu senhor. Se ao amo da casa o chamaram Belzebu, quanto mais aos seus domésticos. E São Paulo prevenia assim o seu discípulo Timóteo: Todos os que quiserem viver piedosamente em Cristo Jesus sofrerão perseguição.

A perseguição, porém, não quer dizer desgraça, mas bem?aventurança, alegria e felicidade, porque é o cunho da autenticidade no seguimento de Cristo; significa que as pessoas e as obras vão por bom caminho, e por isso não devem tirar?nos a paz nem surpreender?nos. Se alguma vez o Senhor permite que sintamos a dor da perseguição aberta – a calúnia, a difamação… –, ou essa outra mais disfarçada – que emprega como armas a ironia empenhada em ridicularizar os valores cristãos, ou a pressão ambiental concentrada em amedrontar os que se atrevem a defender uma visão cristã da vida e em desprestigiá?los perante a opinião pública –, devemos saber que é uma ocasião permitida por Deus para que nos cumulemos de frutos, como dizia um mártir enquanto se dirigia para a morte: “Onde maior é o trabalho, maior é o lucro”.

Deveremos nesses casos agradecer ao Senhor a confiança que depositou em nós ao considerar?nos capazes de sofrer um pouco por Ele. E imitaremos os Apóstolos, ainda que em ponto muito pequeno, quando, depois de terem sido açoitados por pregarem publicamente a Boa Nova, saíram alegres do Sinédrio por terem sido dignos de padecer ultrajes pelo nome de Jesus. Não se calaram no seu apostolado, antes anunciavam Jesus com mais fervor e alegria, lembrando?se certamente das palavras do Senhor: Alegrai?vos naquele dia e regozijai?vos, pois será grande a vossa recompensa no céu.

Junto de Jesus Cristo, a dor torna?se contentamento: “É melhor para mim, Senhor, sofrer a tribulação, contanto que estejas comigo, do que reinar sem Ti, passar bem sem Ti, gloriar?me sem Ti. É melhor para mim, Senhor, abraçar?me a Ti na tribulação, ter?Te comigo no forno ardente, do que estar sem Ti, ainda que fosse no próprio Céu. Que me importa o Céu sem Ti? E, contigo, que me importa a terra?”

 

Fonte: Falar com Deus.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s