Estudo sobre o Sofrimento (III)

Diante do sofrimento e da dor, muita gente pergunta “por quê isso acontece comigo?” “Por quê eu tenho que sofrer?”. “Por quê Deus não me livrou dessa desgraça, da miséria e da tormenta?” “Por quê os bons sofrem tanto e os maus não?”.

É normal a nossa revolta e indignação no confronto com os problemas e as dificuldades. O bom Deus não leva em conta a nossa raiva diante das adversidades.

Como José do Egito, nós não entendemos o mal que está acontecendo em nosso redor – em parte sim, em parte não – mas, com o passar do tempo, as coisas vão se revelando e nós começamos entender o porquê do fato ter acontecido (Gênesis 50,18-21). É claro! Nem tudo podemos entender os mistérios desta vida. Aguardemos a eternidade.

O ilustre rabino Henry Sobel disse: “A fé não é a ausência da dúvida. Eu como rabino tenho muitos problemas com Deus, como Deus deve também ter problemas comigo. Mas nem por isso desisto. Faço da minha dúvida a vontade de conhecer melhor”. O rabino diz que, quando perdeu a mãe, questionou a justiça de Deus: “Por quê?”. Depois, entendeu que a pergunta não era “por quê?”, mas “para que?”

“Aprendi que a dor deve servir a uma finalidade maior. Existe uma missão na vida, e essa missão é enriquecida pela dor”. Afirma Sobel: “A fé é a coragem de continuar”.

Ás vezes quando uma pessoa pergunta “por que?”, ela não está somente em busca de respostas, mas também de consolo, pois talvez tenha sofrido uma grande perda. A Sagrada Escritura fornece esse consolo? Considere três importantes verdades bíblicas relacionadas a esse assunto.

Primeiro: não é errado perguntar por que Deus permite o sofrimento. Alguns têm receio de fazer uma pergunta dessas porque acham que isso significa falta de fé em Deus ou falta de respeito por ele. Isso não é verdade. Se você faz essa pergunta com sinceridade, não é o único. O santo profeta Habacuque perguntou a Deus: “Por que me fazes ver tanta maldade? Por que toleras a injustiça? Estou cercado de destruição e violência; há brigas e lutas por toda parte.” (Habacuque 1,3- Bíblia na Linguagem de Hoje). Deus não repreendeu Habacuque por ter dito essas palavras. Em vez disso, fez com que as perguntas desse homem fiel fossem registradas para que todos nós as lêssemos. (Romanos 15,4).

Segundo: é importante saber que Deus sente compaixão quando você passa por uma situação difícil. Ele não é indiferente e misterioso; ele “ama a justiça” e detesta a maldade e o sofrimento que essa causa. (Salmo 37,28; Provérbios 6,16-19). Nos dias de Noé, Deus sentiu-se “magoado no coração” porque a violência se espalhava pela Terra (Gênesis 6,5,6). Deus não mudou; seus sentimentos em relação ao que acontece atualmente são os mesmos. (Malaquias 3,6). Os homens mudam e não deveriam mudar para pior.

Terceiro: Deus não é a causa do sofrimento. A Sagrada Escritura deixa muito claro isso. Devido a desobediência do primeiro casal no Jardim do Édem, surgiu os desabores da vida (Gênesis 3,1-24). Aqueles que atribuem ao Senhor Deus a culpa por coisas catastróficas e a maldade no mundo estão difamando o Criador, ou seja, blasfemando Aquele que é o “Sumo Bem”. “Todas as obras de Deus procedem de sua bondade para felicidade dos bem-aventurados”, afirma Santo Tomás de Aquino.

Escreve Jó: “Escutai-me, homens sensatos. Longe de Deus o mal, e do Todo Poderoso, a iniqüidade!” Corrobora com este pensamento São Tiago: “Ninguém, ao ser tentado, deve dizer: “É Deus que me está tentando”, pois Deus não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta. Antes, cada qual é tentado péla própria concupiscência, que o arrasta e seduz. Meus amados irmãos, não vos enganeis: todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm do alto e desce do Pai das Luzes, no qual não há nenhuma mudança nem sombra de variação” (Tiago 1.13-17).

Quando você estiver passando pelo sofrimento e terríveis provações, tenha certeza que o bom Deus não é a causa de tais tentações. Porém, tenhamos ciência que Deus permite tais provações para elevar a alma ao patamar da maturidade espiritual. “E nós sabemos que Deus coopera em tudo para o bem daqueles que o amam, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio” (Romanos 8,28).

Anúncios

Uma resposta em “Estudo sobre o Sofrimento (III)

  1. Pingback: Fique por dentro Estudo » Blog Archive » Estudo sobre o Sofrimento (III) « Vida Espiritual

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s