Amar o Trabalho Profissional

I. O TRABALHO É um dom de Deus, um grande bem para o homem, ainda que seja “o sinal de um bem árduo, conforme a terminologia de São Tomás […]. E é não somente um bem útil ou para ser usufruído, mas um bem digno, isto é, um bem que corresponde à dignidade do homem, que expressa essa dignidade e a aumenta”1. Uma vida sem trabalho corrompe?se, e, no trabalho, o homem “torna?se mais homem”2, mais digno e mais nobre, se o realiza como Deus quer.

O trabalho é conseqüência do preceito de dominar a terra3 dado por Deus à humanidade, que se tornou penoso pelo pecado original4, mas que constitui o “eixo da nossa santidade e o meio sobrenatural e humano apto para levarmos Cristo conosco e fazermos o bem a todos”5. É como que a coluna vertebral do homem, que dá base de sustentação a toda a sua vida, e o meio através do qual devemos alcançar a nossa santidade e a dos outros. Um modo errôneo de equacionar o trabalho profissional pode repercutir em toda a vida do homem, mesmo nas suas relações com Deus.

Por isso, compreendemos bem os males que a preguiça, o trabalho mal feito, as tarefas realizadas pela metade podem ocasionar… “O ferro que jaz ocioso, consumido pela ferrugem, torna?se mole e inútil; mas, se é empregado no trabalho, é muito mais útil e belo, e não fica muito atrás da prata pelo seu brilho. A terra baldia não produz nada de útil, mas mato, cardos, espinhos e árvores infrutíferas; mas a que é cultivada coroa?se de suaves frutos. E, para dizê?lo numa só palavra, todo o ser se corrompe pela ociosidade e se aperfeiçoa pela operação que lhe é própria”6; o homem, pelo seu trabalho.

São Paulo, como lemos na primeira Leitura da Missa7, fala aos primeiros cristãos de Tessalônica do modo como se comportou com eles enquanto lhes pregava a Boa Nova de Jesus: Estais lembrados – diz?lhes – dos nossos trabalhos e fadigas; trabalhando noite e dia para não sermos pesados a nenhum de vós…8 E mais tarde, na segunda Epístola: Vós mesmos sabeis como deveis imitar?nos; pois não vivi entre vós sem trabalhar, nem comi de graça o pão de ninguém, mas trabalhei e cansei?me de noite e de dia para não ser pesado a ninguém9. O Espírito Santo, com este exemplo, inculcava?nos um princípio prático bem claro a seguir: Se alguém não quiser trabalhar, que não coma.

Hoje, na nossa oração serena e sossegada, temos que ter presente que o Senhor também espera de nós esse mesmo espírito de laboriosidade, de trabalho intenso, que se viveu entre os primeiros cristãos. Um dos escritos cristãos mais antigos – a Didaquê – deixou?nos este admirável testemunho: “Todo aquele que chegar a vós em nome do Senhor, seja recebido; depois, examinando?o, vireis a conhecê?lo […]. Se quem chega é um viajante, não permanecerá entre vós mais do que dois dias ou, se for necessário, três. Mas, se quiser estabelecer?se entre vós, tendo um ofício, que trabalhe e assim se alimente. E se não tiver ofício, provede conforme a vossa prudência, de modo que não viva entre vós nenhum cristão ocioso. Se não quiser fazer assim, é um traficante de Cristo; estai alerta contra esses”10.

II. NOS SEUS ANOS de Nazaré, o Senhor deu?nos um exemplo admirável da importância do trabalho e da perfeição humana e sobrenatural com que devemos realizar a nossa tarefa profissional. “Jesus, crescendo e vivendo como um de nós, revela?nos que a existência humana, a vida comum e de cada dia, tem um sentido divino. Por muito que tenhamos considerado estas verdades, devemos encher?nos sempre de admiração ao pensar nos trinta anos de obscuridade que constituem a maior parte da vida de Jesus entre os seus irmãos, os homens. Anos de sombra, mas, para nós, claros como a luz do sol”11.

A sua própria maneira de falar, as parábolas e imagens que emprega na sua pregação revelam um homem que conheceu muito de perto o trabalho; fala sempre “para quem se afana, para uma vida ordinária sempre regida pela lei da normalidade, pela aparição previsível dos mesmos problemas para as mesmas pessoas. Este é o ambiente da pregação de Cristo; os seus ensinamentos ficaram graficamente inseridos neste contexto. Não era o “filósofo”, nem o “visionário”, mas o artesão. Alguém que trabalhava, como todos”12.

Durante a sua vida pública, o Mestre chamou para junto de si pessoas que estavam habituadas ao trabalho: São Pedro, pescador de ofício, voltará às suas tarefas de pesca logo que tiver a primeira oportunidade13; São Mateus é convidado a seguir o Senhor num momento em que estava ocupado no seu ofício de cobrador de impostos, e o mesmo aconteceu com os outros Apóstolos.

Quando São Paulo partiu de Atenas e chegou a Corinto, encontrou um judeu chamado Áquila, originário do Ponto, e sua esposa Priscila. Juntou?se a eles. E como era do mesmo ofício, hospedou?se em casa deles e trabalhava em companhia de Áquila; ambos eram fabricantes de lonas14. Foi durante essa estadia de ano e meio em Corinto que São Paulo escreveu as exigentes exortações que dirigiu aos cristãos de Tessalônica, convencido de que muitos dos males que vinham afligindo aquela comunidade cristã se deviam à circunstância de que alguns eram mais dados a falar e a andar de casa em casa do que a ocupar?se no seu trabalho.

Devemos examinar com freqüência a qualidade humana do nosso trabalho: se o começamos e terminamos no horário previsto, ainda que alguns dos nossos colegas, ou mesmo todos, não o façam; se o realizamos com ordem, sem deixar para o fim os assuntos mais difíceis ou menos gratos; se trabalhamos intensamente, procurando evitar conversas, chamadas telefônicas inúteis ou menos necessárias; se procuramos melhorar constantemente a qualidade desse trabalho com o estudo oportuno, procurando estar atualizados nas novas questões que surgem em todas as profissões; se nos excedemos em cumpri?lo, como acontece com tudo o que se ama, mas com prudência e retidão, sem prejudicar o tempo que devemos à família, ao apostolado, à nossa formação espiritual e religiosa… Numa palavra, contemplemos Jesus na sua oficina de Nazaré, peçamos licença ao Senhor para entrar ali com os olhos da fé, e então veremos se o nosso trabalho tem a qualidade e a profundidade que Ele pede aos que o seguem.

III. TEMOS QUE AMAR e cuidar do nosso trabalho porque é um preceito do nosso Pai?Deus. Mediante o trabalho de todos os dias, a personalidade desenvolve?se, ganha?se o preciso para as necessidades da família e para as pessoais, bem como para prestar ajuda às boas obras de formação, de apostolado, etc. Temos que amar o trabalho e convertê?lo ao mesmo tempo em tema e campo de oração, porque, acima de tudo, é caminho de santidade.

Podemos oferecer todos os dias ao Senhor imensas coisas que procuramos que estejam bem feitas: o estudante poderá oferecer?lhe horas de estudo intensas e seguidas; a mãe de família, a solicitude eficaz pelos filhos, pelo marido, o cuidado dos mil detalhes que fazem da sua casa um verdadeiro lar; o médico, a par da competência profissional, o trato amável e acolhedor com os pacientes; as enfermeiras, essas horas cheias de serviço contínuo, como se cada um dos doentes fosse o próprio Cristo…

É no meio e na execução do próprio trabalho que devem surgir com freqüência os pedidos de ajuda ao Senhor, as ações de graças, os desejos de dar glória a Deus com aquilo que temos entre mãos… Nós, os cristãos correntes, os simples leigos, não nos santificamos apesar do trabalho, mas através do trabalho; encontramos o Senhor nos mais variados incidentes que o compõem, uns agradáveis, outros menos, mas todos eles o campo por excelência em que se exercitam as virtudes humanas e as sobrenaturai
s.

O amor ao nosso trabalho profissional levar?nos?á freqüentemente a permanecer, talvez por muitos anos ou por toda a vida, na mesma tarefa. Isto não significa que não devamos aspirar a conseguir uma situação ou um lugar de trabalho de mais destaque. Mas esse desejo legítimo, que faz parte da boa mentalidade profissional, não deve causar intranqüilidade nem desassossego, como se o êxito profissional e financeiro fosse o único motivo que nos leva a trabalhar. Os cristãos não devem medir os seus trabalhos unicamente pelo dinheiro, como se fosse o que em última análise lhes importa. Enquanto não nos chegam essas oportunidades de subir na escala profissional, se fizemos jus a isso, devemos santificar precisamente essas tarefas que nos ocupam, sem uma mentalidade provisória que comprometeria a sua eficácia santificadora.

E por fim, lembremo?nos de que São Paulo, no meio da preocupação por sustentar?se e não ser gravoso a ninguém, continuava a ser o Apóstolo das gentes, o eleito de Deus, e servia?se da sua profissão para aproximar os outros de Cristo. Assim devemos nós fazer, qualquer que seja o nosso ofício e o nosso lugar na sociedade.

(1) João Paulo II, Enc. Laborem exercens, 14?IX?1981, I, 9; (2) ib.; (3) cfr. Gen 1, 28; (4) cfr. Gen 3, 17; (5) Josemaría Escrivá, Carta, 14?II?1950; (6) São João Crisóstomo, Homilia sobre Priscila e Áquila; (7) 1 Tess 2, 9?13; Primeira leitura da Missa da quarta?feira da vigésima primeira semana do TC, ano I; (8) 1 Tess 2, 9; (9) 2 Tess 3, 7?8; (10) Didaquê ou Doutrina dos Doze Apóstolos; (11) Josemaría Escrivá, É Cristo que passa, n. 14; (12) R. Gómez Pérez, La fe y los dias, pág. 20; (13) cfr. Jo 21, 3; (14) cfr. At 18, 1?3.

Fonte: Falar com Deus.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s