A Meditação: Como Fazê-la.

Já falamos da “oração mental”, e agora falaremos um pouco da “meditação”, que é uma forma de oração semelhante e, ao mesmo tempo, diferente da oração mental, ainda que as duas estejam bastante interligadas e se “encontrem” em muitos momentos, como veremos.

O “Catecismo da Igreja Católica” diz – citando Santa Teresa de Ávila – que a “oração mental” é «um relacionamento íntimo de amizade em que conversamos… a sós com Deus», e a chama também «comunhão de amor» (nn. 2709-2719). Ou seja, é sobretudo -como dizíamos ao falar nela – diálogo íntimo e espontâneo.

Por sua vez, o mesmo Catecismo, quando fala da “meditação” diz que «é sobretudo uma procura; o espírito procura compreender o porquê e o como da vida cristã, a fim de aderir e responder ao que o Senhor pede» (n. 2705). E acrescenta: «Geralmente utiliza-se um livro» e, assim, «meditando no que lê, o leitor se apropria do conteúdo lido, confrontando-o consigo mesmo» (n. 2706). Quer dizer que faz da leitura um espelho em cujo fundo Deus se reflete e, em confronto com Deus, a pessoa pode ver-se melhor a si mesma, aos seus ideais e seus deveres.

É importante entender o como é que isso pode ser vivido. Vejamos algumas sugestões:

1º) Primeiro, um conselho prático: reservar diariamente uns minutos para a meditação em lugar e com duração fixos (podem ser aqueles mesmos dez ou mais minutos de que falávamos ao tratar da oração mental: alguns dias faremos, nesse tempo, só oração mental, totalmente espontânea; outros, só meditação; e com frequência – muitas vezes – começaremos com a meditação e partiremos para o diálogo íntimo da oração mental).

2º) A meditação tem como ponto de partida, normalmente, um “livro”. O Catecismo fala de três tipos de livro: a) livros impressos (um trecho da Bíblia ou de um livro espiritual, escolhido por nós, ou que nos foi aconselhado); b) o livro da natureza (quando meditamos diante do mar, dos campos e montanhas, de um jardim, sobre a grandeza e beleza de Deus Criador); c) o livro da nossa vida (como eu sou, o que é que acontece comigo, por que me sinto vazio, por que não consigo isso ou aquilo, como cumpro os meus deveres, que virtudes eu tenho ou me fazem falta, etc.).

3º) É preciso fazer o esforço de refletir. Não há mais remédio que vencer a preguiça. Mas não devemos meditar como quem “estuda”, “racha”, para uma prova escolar, para um concurso ou para preparar uma palestra. A oração sempre deve ser simples e sincera. Por isso, não é prático demorar-nos num texto difícil, vendo se conseguimos “descascar o abacaxi” (tal dificuldade a estudaremos ou consultaremos outra hora). Detenhamo-nos sempre num texto claro, que nos facilite ver melhor algo que Deus pede, ou algo que acontece conosco e deveria mudar, e deixemos de lado (para outra ocasião) os textos pouco claros para nós. Às vezes, basta ler, reler devagar e meditar uma única frase, “como quem chupa bala”, até que o “sabor” entre na alma.

4º) Ajuda muito tomar algumas notas em um caderno ou agenda (de papel ou eletrônica): anotar algumas frases que nos “tocaram”, ou “luzes” concretas sobre modos de melhorarmos, ou resoluções que nos propomos levar à prática. E, sempre, no meio da reflexão, é bom ir entremeando, como pequenas faíscas que aquecem o coração, orações breves, como: “Jesus, faz com que eu veja!”, “Senhor, se queres podes limpar-me!”…

5º) Como diz o Catecismo, temos que «passar dos pensamentos à realidade» (n. 2706), à vida real e prática, a conclusões que mudem e melhorem algo. Nunca ache que a meditação é inútil. Se a cabeça, algum dia, está cansada ou obtusa, fique só lendo e relendo (”chupando bala”). O livro “Caminho” diz, com toda a razão: «Persevera na oração. – Persevera ainda que o teu esforço pareça estéril. – A oração é sempre fecunda» (n. 101).

6º) Quer ver os frutos bons da oração, mesmo daquela que parece inútil?

a) em primeiro lugar, são frutos as resoluções práticas, que nos incentivam a lutar para pensar melhor, trabalhar melhor, tratar melhor a Deus e aos outros, etc. (resoluções concretas que é bom anotar também na agenda, como “programa”);

b) às vezes, bastará – já será um bom fruto -que tenhamos captado uma “luz”, e fiquemos felizes com isso: “Agora entendo o que é ser humilde! Agora vejo como é verdade que ser teimoso nas discussões, achar que sempre estou com a razão e desprezar o ponto de vista dos outros é orgulho, é falta de humildade; tenho que mudar (ver “Sulco”, n. 263).

c) outras vezes, um grande fruto – mesmo que não nos ocorram resoluções concretas – será sairmos da oração melhor dispostos (talvez num dia em que estávamos estressados ou de mau humor), com paz na alma, com mais sede de Deus e de servir os outros.

Todos esses são frutos ótimos, que Deus faça possam brotar muitas vezes da nossa meditação!

Pe. Francisco Faus.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s